Produtores musicais vivem em busca de técnicas e ferramentas para adicionar calor e características ao som. Os antigos gravadores de fita (tape) eram ferramentas muito interessantes nesse sentido. Hoje tentamos simulá-los através dos plugins. Leia mais e aprenda 6 dicas essenciais ao usar plugins Tape.

Os gravadores de fita foram muito utilizados nas décadas passadas durante o processo de produção musical nos estúdios ao redor do mundo. Com as gravações digitais esses dispositivos foram inutilizados por um período devido à coloração que possuem.

A partir dos anos 1990 a indústria musical sofre uma transformação profunda. A tecnologia desencadeada pelos computadores fez com que os produtores musicais buscassem utilizar técnicas cada vez mais puristas, buscando reduzir ao máximo os ruídos e imperfeições gerados pelos equipamentos analógicos.

Pouco tempo depois, engenheiros de mix e master perceberam que ao limpar totalmente as faixas, eliminando ruídos e a coloração, na verdade deixaram os sons opacos, sem vida.

Foi assim que a demanda por equipamentos analógicos ou pelo menos plugins que simulam analógicos, com todas as suas limitações, imperfeições e características particulares, voltou a crescer.

Os plugins que simulam gravadores de fita, Tape machines, são ferramentas muito comuns. Elas simulam o calor, a distorção e o ruído gerado pelos gravadores antigos, incluindo seus problemas com a deterioração do áudio após certas utilizações.

Em nossos dias, muitas pessoas recorrem a esses plugins para dar um toque final nas faixas, deixando-as com uma sujeirinhas positiva, gostosa de ser ouvida. Se você ainda não usa essas técnicas, fica aqui a recomendação. Se já usa, aprenda a produzir resultados mais interessantes com as 13 dicas a seguir.

1 – Conheça as cabeças da Tape

Nos gravadores de fita analógicos, conforme a fita se move de uma bobina para outras, ela passa por um caminho que contém a cabeça da fita e o playback da fita, também conhecida como cabeça de reprodução, ambos componentes eletromagnéticos essenciais no processo de gravação.

Algumas fitas possuem três cabeças: gravação, reprodução e uma cabeça separada para apagar.

A cabeça de gravação pega o sinal de áudio que entra e transforma-o em um modelo de partículas magnetizadas.

Essas partículas, com ajuda da radiação magnética chamada flux, aderem à fita em um modelo que replica as ondas sonoras do sinal de áudio. Daí o termo “gravação analógica“.

Quando a fita é tocada depois, a cabeça de reprodução (playback) lê o modelo de partículas magnetizadas enquanto a fita passa por ele e retorna como um sinal de áudio.

2 – Fique atualizado com os IPS

Uma das variáveis significativas dos gravadores de fita é a velocidade com que a fita se move pelo caminho e passa por todas as cabeças, medida em polegadas por segundoIPS (inches per second).

Quanto maior a velocidade da fita, maior a definição nas altas frequências. Velocidades mais baixas tendem a melhorar um pouco a qualidade de reprodução dos graves, mas os agudos ficam um pouco deteriorados, gerando o chamado efeito “Lo-fi“.

Alguns plugins oferecem parâmetros adicionais, como por exemplo, no plugin da Waves J37, modelado do clássico analógico Studer J37 – um gravador de fita de 4 canais usados nos estúdios Abbey Road na era dos Beatles. É possível escolher velocidades entre 15ips e 7ips. Mais rápido para um som com melhor definição, mais lento para um som lo-fi.

3 – Mixe com o Bias

Outro parâmetro interessante encontrado em outros emuladores de gravadores de fita é o bias. Nas tape machines analógicas, ele foi introduzido como um sinal hipersônico que aumenta a fidelidade de áudio.

Normalmente os fabricantes recomendavam valores específicos referentes ao bias adequado. Se o valor ficasse abaixo do recomendado, o áudio sofreria perda em definição.

Por outro lado, aumentado o bias acima da indicação do fabricante, “over-biasing“, tem se um efeito interessante.

4 – Fator wow e flutter

Nos gravadores de fita analógico os efeitos de wow e flutter (vibração) normalmente são indesejados, mas ao controlá-los com maior precisão em um ambiente virtual, é possível extrair bons resultados.

Wow é o termo utilizado para definir a modulação de frequência que ocorre devido à inconsistência da performance do motor do aparelho. Flutter (vibração) é causado pelo subir e descer da fita ao longo do seu percurso entre as cabeças.

Quanto melhor é a qualidade do gravador de fita, menos wow e flutter são adicionados ao sinal.

Nos plugins virtuais é possível manipular a quantidade de wow e flutter. Desligue-os se procura fidelidade máxima ou acrescente efeitos interessantes ao aumentá-los.

5 – Ruído

Uma das principais desvantagens de se utilizar os gravadores analógicos vem principalmente do ruído gerado durante o processo. Isso é devido à diferença significativa entre os valores de ruído por sinal entre os gravadores analógicos e digitais.

Os tapes digitais não possuem muito ruído, enquanto os analógicos tendem a produzir mais. Para uma reprodução mais fiel às características originais dos tape recorder é indicado manter uma certa quantidade de ruído, mas se está procurando apenas um pouco da saturação clássica, você pode eliminar o noise.

6 – Delays com Tapes

Além da saturação, do calor, do ruído e da degradação do áudio procurada por produtores musicais que usam emuladores tape, também é possível utilizá-los como efeitos de tempo.

Os primeiros delays desenvolvidos em estúdio foram produzidos em um par de gravadores de fita. O sinal era enviado para uma mesa de som e dividido entre dois gravadores de fita em intervalos diferentes.

O delay era baseado na distância percorrida pela fita e podia ser alterado através do aumento ou diminuição da velocidade.

Nos plugins mais recentes é comum encontrar ajustes para os intervalos entre os delays. Normalmente é possível regular o feedback, mix e o tempo entre as repetições. Esse efeito funciona muito bem em quase tudo.

Se o seu som às vezes soa meio “quadrado“, sem vida, pode ser que você esteja exagerando na “faxina“, deixando tudo muito limpo. Comece a testar os tape plugins, eles podem ser uma boa alternativa para adicionar característica ao som.

Utilize saturação para incrementar os harmônicos, delays para gerar ambiência, engorde suas baterias ou a mix inteira com os plugins tapes.

Já conhecia essas técnicas? Quais plugins simuladores de tape você utiliza e como gosta de implementá-los em suas mix?

Deixe seu comentário abaixo.

Aprenda mais